Minha prima safadinha

Olá, meu nome é Samuel tenho 19 e o conto que relatarei agora é verídico. Aconteceu faz alguns anos, com minha prima. (ATENÇÃO: todos os nomes escritos serão fictícios) Sempre depois do Natal e Ano-Novo, eu e meus pais íamos, com minha prima Júlia e sua mãe (ela vivia com a mãe, somente), viajar. Íamos para Cabo-Frio, Natal, Gramado, etc. Sempre alugávamos uma casa por lá para ficarmos por um mês, ou até voltar às aulas. Dessa vez tínhamos programado ir Cabo-Frio, mesmo já tendo ido no ano anterior. Eu e minha prima éramos muito próximos e nos gostávamos muito. Mas eu nunca imaginei que minha prima moreninha e inocente se tornasse numa garota com peitos enormes e de uma safadeza tamanha. Eu sabia da popularidade da minha prima Júlia pelo colégio e também pelo bairro inteiro. Ela era conhecida por estar com um namorado novo a cada semana e de sete a cada dez saiam chifrados do relacionamento. Eu já tinha me masturbado várias vezes pensando nela: altura média, seios bem robustos, uma bundinha maravilhosa e uma bocetinha que atraía muitos olhares e tinha o cabelo negro. Eu era um pouco mais alto que ela, de cabelos negros e um corpo malhado, pois eu fazia aula de basquete e natação. No dia do passeio, nós todos fomos no carro do meu pai. Eu e Júlia fomos conversando bastante no caminho, sobre como seria divertido e como estávamos ansiosos para ir à praia. Bem, já tinha se passado duas semanas desde que tínhamos chegado e tudo estava ótimo. Eu não entendia por que, mas minha prima sempre andava com um short realmente curto e uma blusinha com o piercing em sua barriga aparecendo. Eu, vendo aquilo, tocava várias punhetas por dia. E foi justamente no dia em que nossos pais saíram para uma festa, que tudo aconteceu. Estava vendo TV e era onze da noite. Nossos pais voltariam somente uma da manhã, tínhamos certeza. Eu tava mudando de canal e de repente coloquei no Sexy Hot. Eu aproveitei que minha prima estava no quarto, no telefone e decidi tocar uma. Eu mal comecei e a ouvi chamando meu nome. Eu tentei colocar meu pau pra dentro e mudar de canal, mas me enrolei todo e ela apareceu no meu quarto. Os olhos dela se arregalaram e fixaram no meu pênis. Eu fiquei vermelho de tanta vergonha. - Vendo putaria, né safadinho. Ela disse olhando pra TV. Eu corei mais ainda. Ela veio até mim e ficou de frente. – Nossa! Eu não sabia que seu pau era tão grande e duro assim, priminho. Falou, se agachando no chão. Nessa hora eu congelei e fiquei olhando para ela de olhos arregalados. - O que vai fazer Ju? Eu falei nervoso e excitado. Ela tocou no meu pau com a mão e disse um simples "acalma bobinho". De repente ela começou a tocar uma pra mim. Meu pau ficou mais duro ainda e eu relaxei na cama, de tão gostoso que estava sendo. Então, ela colocou a boca no meu pau e começou a chupar gostoso. Ela conseguia engolir ele todo e depois soltava, cuspindo nele e tocando uma pra mim de novo. Eu estava maravilhado. Eu senti que logo ia gozar e tentei segurar para aproveitar mais, mas não deu. Gozei tudo na boca dela e a olhei. Ela tinha um sorriso malicioso no rosto e estava lambendo minha porra toda. Depois disso, ela veio até mim e me deu um beijo de língua, que eu retribuí. - Então, priminho. Tá na hora de retribuir por todas aquelas meninas que eu coloquei na sua fita. Ela disse, tirando a minha blusa e a sua. Era verdade! Todas as namoradas que eu tinha, a maioria minha prima que colocara na minha fita, eu era muito tímido para chegar em alguma garota. Meu pau amoleceu e voltou ao seu estado ‘normal’. Eu fiquei olhando pra ela maravilhado. Parecia um sonho. – Anda! Pega no meu peito! Ela disse. Eu não recusei, mesmo estando cansado daquela gozada. Comecei a chupar os biquinhos do seu peito, a apertá-los e acariciá-los. Ela dava pequenos gemidos de prazer e eu continuava lambendo em volta de seus biquinhos. - Anda, chupa minha boceta. Ela disse, tirando seu shortinho curto e enfiado no cu e deitando-se na cama. Eu fiquei surpreso: ela estava sem calcinha. Eu fiquei admirando a xana dela por algum tempo. Então ela, violentamente, puxou minha cabeça e esfregou minha cara na xana dela, freneticamente. Eu coloquei minha língua pra fora e enfiei na sua bocetinha, chupando seu grelo. Ela estava toda molhadinha. Júlia começou a gemer e a apertar meu rosto contra sua xana. A essa hora, meu pau já estava duro que nem pedra. - Agora enfia seu pau na minha boceta! Enfia! Arromba minha xaninha gulosa! Ela gritava! Eu lhe dei um beijo na boca e disse: - Não tem camisinha? Eu sempre tive a consciência de que tinha que usar camisinha. - Sei lá, foda-se! Ela gritava: - Me come, me come! - Eu fui até meu armário e procurei. bingo! "Que sorte", pensei, e vesti a camisinha correndo, querendo fodê-la logo. Eu fui até ela, dei mais uma chupada em seus peitões e fiquei por cima dela. Fui introduzindo lentamente o meu pau em sua xana e ela gemia alto. Então, comecei o movimento de vai-e-vem e toda vez que eu penetrava ela gemia. Depois de alguns minutos assim. Ela tirou o meu pau e disse que conhecia um outro movimento. Então ela me deitou e subiu em mim. Penetrou meu pau e ficou cavalgando. Eu fui ao delírio com aquilo. Nunca pensei perder minha virgindade com minha priminha gostosa. Ela começou a gemer mais ainda e disse que teria um orgasmo. Depois ela "descansou" seu corpo se apoiando em mim, e eu adorei sentir os melões dela contra meu peitoral. Eu senti que logo iria gozar e falei pra ela com certa dificuldade. Ela me deu um beijo de língua e se levantou para continuar cavalgando. Depois que eu disse que estava quase vindo! Ela cavalgou mais forte ainda e nós dois gozamos juntos. Senti a melhor sensação da minha vida. Ela saiu de cima de mim e se deitou ao meu lado, me dando um selinho. Já era meia-noite e meia quando começamos a transar outra vez. Mas foi estranho, pois foi na mesa da cozinha, enquanto íamos fazer um lanche. Depois desse dia, nós sempre transávamos quando podíamos, ou ela pagava um maravilhoso boquete para mim no banheiro. Depois, eu acabei descobrindo que ela tinha namorado. E, a partir desse dia, eu soube que o namoradinho dela fora chifrado. E eu tinha participado disso. Essa história é verdadeira e espero que tenham gostado.

Fonte:
http://www.contoerotico.com.br/v2/conto2.asp?id_conto=48691

Newsletter